Carolina, esta e sua Assembleia Legislativa

RALEIGH (NC) – Logo apos a visita a primeira-dama, nossa delegacao fez um tour da Assembleia Legislativa da Carolina do Norte, que fica bem pertinho. 

Ha tres diferencas grandes entre a Assembleia Legislativa deles e a nossa que vale a pena explicar logo de cara. 

Primeira: a assembleia e bicameral. Ou seja, assim como acontece em nivel federal, existem deputados estaduais (state representatives); mas tambem senadores estaduais (state senators). O titulo “senador” nao e reservado para quem trabalha na capital federal, como no Brasil. 

Os numeros sao um pouco maiores do que na AL mineira: sao 120 deputados estaduais mais 50 senadores estaduais. Em Minas temos 77 deputados estaduais. Os numeros parecem ainda maiores se levarmos em conta que a populacao mineira e de 19 milhoes, enquanto os norte-carolinenses sao 9 milhoes. 

 
Os deputados estaduais mantem sua camara organizadinha, pelo menos na segunda-feira, quando nao tem sessao (Foto: Cedê Silva). 

Segunda: nao existe lista aberta, como no Brasil. Em vez disso, imagine dois mapas da Carolina do Norte, um divindo-a em 120 pedacinhos, outro em 50 pedacinhos. Cada pedaco é um distrito, e um parlamentar, para se candidatar, deve residir no distrito que representa. Isto assegura um bom contato do representante com seus eleitores, ja que cada cidadao americano tem um deputado, seu deputado, enquanto em Minas, por exemplo, cada cidadao “tem” 77 deputados em seu nome. 

Este maior contato fica ainda mais relevante se levarmos em conta… 

 
O tour guiado da Assembleia Legislativa deu algum sono nos participantes, exceto os entusiastas de  questões, votações e moções, como eu (Foto: Cedê Silva). 

a terceira diferenca: as eleicoes legislativas (tanto federais quanto estaduais) sao a cada dois anos, e nao quatro. Quer dizer, ou voce mostra resultados rapidamente, ou voce esta fora. 

O predio fica aberto ao publico, e la voce pode conseguir copias de todas as leis e projetos de lei. Tem tambem acesso a um computador. 

 
Norte-carolinenses – ou qualquer um – podem usar este PC para acessar as leis e projetos…(Foto: Cedê Silva). 

 
… ou simplesmente pedir fotocopias gratuitas. Eu peguei uma! (Foto: Cedê Silva). 

DETOUR CONSERVADOR – Em um momento da visita, Nina (Relacoes Internacionais – USP) e eu ficamos curiosos com um certo gabinete de um senador (na segunda-feira alguns gabinetes estavam de portas abertas; mas no meio da semana o numero é maior). Havia muitas fotos, adesivos, estatuazinhas de elefantes… 

 
Todos tem que admitir: o mascote do Partido Republicano (o elefante) é bem melhor do que o do Democrata (o burro) (Foto: Cedê Silva). 

…abandonamos o tour no meio, e deixamos o grupo seguir, para entrar na sala. Acabamos descobrindo que o gabinete era de de ninguém menos que o lider do partido republicano no senado estadual. O nome dele é Senador Philip E. Berger. Ele nao estava la, mas seu assistente nos recebeu muito bem, até tirou fotos minha e da Nina na cadeira do senador. 

 
“Senador estadual Cedê Silva (R-NC)”? (Foto: Gabinete do Sen. Philip Berger). 

Bem, isso resume nossa aventura na AL, pelo menos por enquanto. De la, nos iriamos direto ao campus da NCSU… nao fosse o fato de que, no meio do caminho, vimos uma senadora (federal!) discursando. 

Essa historia fica pro proximo post. 

(Cedê Silva )

Meu café da manhã com a primeira-dama

 

O croissant com presunto e queijo que servem aqui é maravilhoso (Foto: Cedê Silva). 

RALEIGH (NC) – Visitas importantes sao recebidas por anfitrioes importantes. 

A delegacao brasileira foi recebida na manha de segunda, no dia seguinte a chegada, pela primeira-dama Mary Easley, esposa do governador democrata Mike Easley. 

A visita foi otima. O cafe-da-manha la é certamente melhor do que o do hotel! Mas falando serio, a primeira-dama é uma pessoa agradavel,  certamente muito a vontade com visitas. Gostou de nos mostrar a casa, fazer piadinhas, e ate deu uma mini-coletiva. Aproveitou para criticar Sarah Palin, e tambem dizer que espera centenas de criancas pedindo doces no Halloween. 
 
Mary Easley é fonte de controvérsia, ja que fez viagens talvex exageradas com dinheiro publico, e recebeu um auimento salaria de 88% por seu trabalho na NCSU. Que pena que o foca [jornalista iniciante] aqui nao sabia disso no dia, e nao pôde fazer umas boas perguntas pra ela. (Foto: Cedê Silva). 

MULHER FORTE –  Ja em seu segundo mandato, Mike Easley nao pode concorrer a outra reeleicao. A candidata democrata para governadora da Carolina do Norte é Bev Perdue, que se eleita sera a primeira mulher no cargo. Como quase toda eleicao nos Estados Unidos, a corrida esta apertada

Em tempo: poucos estados sao como a Carolina do Norte, que tem eleicao para governador e presidente no mesmo ano. Afinal, a eleicao presidencial pode distrair as pessoas das eleicoes locais, que tambem sao importantes. Por outro lado, ha um argumento em favor de faze-las juntas. Aqui nos EUA, as eleicoes para deputado federal sao a cada dois anos em vez de quatro. O que se nota e que nos anos de Olimpiada (que tem eleicoes para Presidente) existem mais eleitores do que nos anos de Copa do Mundo. Ou seja, as eleicoes presidenciais atraem tambem eleitores para outros cargos, ja que o voto nao e obrigatorio. 

Mas o ponto que quero fazer e outro. O lance é, apesar de nao ter feito como Clinton e concorrido a governadora (ainda!), a primeira-dama fez questao de se mostrar como uma mulher forte, que trabalhou como advogada, assim como o marido; e trabalha em assuntos do Estado. Ela tambem tem um segundo emprego como professora de politicas publicas e direito de propriedade intelectual na Universidade Estadual da Carolina do Norte (NCSU), nossa universidade-anfitria para este programa. 
 
Alguns governadores sao bastante honestos sobre suas prioridades no retrato oficial. No quadro, o governador democrata Dan Moore (1965-1969), morto em 1986 (Foto: Cedê Silva).

TABACO – Outra coisa que aprendemos na visita foi que a Carolina do Norte cresceu gracas ao… cigarro! Sim, por muito tempo o estado tinha como principais itens da economia o tabaco, os texteis, e mobilia. 

O que varias pessoas – a primeira-dama, professores diversos – fazem questao de ressaltar e que a Carolina do Norte soube nas ultimas decadas se desvincular disso e investir pesadamente em educacao. E por isso que hoje muitas empresas de alta tecnologia tem instalacoes aqui. No centro, vi um predio da AT&T. E é na NCSU que fica o reator nuclear universitario mais antigo da America. 

Entao nao e a toa que fomos tao bem recebidos ao chegar. A Carolina do Norte conhece suas prioridades. 

(Cedê Silva)

A Longa Viagem até a Feira Estadual

 

No clima festivo da Feira Estadual, atores divulgavam um joguinho de cirugias (Foto: Cedê Silva). 

RALEIGH (NC) – Foi intenso.   

 

Apos mais de oito horas de voo Sao Paulo-Washington (sob um ar condicionado glacial), chegamos no aeroporto da capital americana. 

Fomos recebidos com uma longa fila (que boas-vindas!) mas o processo naimigracao foi bem tranquilo. Nos dividiram em algumas filas. Assim que  os oficiais perceberam que iam receber as mesmas respostas (“o que voceveio fazer nos Estados Unidos?”, e como se fosse ensaiado, “eu estouparticipando de um programa patrocinado pelo Departamento de Estado dosEstados Unidos”), deixaram os proximos passarem. Eu mesmo praticamentenao fui entrevistado. 

Na fila ja se notava claramente que eramos brasileiros. E dificiljuntar vinte jovens universitarios do Brasil e mante-los quietos. Umacoisa muito legal e a mistura de sotaques. Tem gente de Sergipe, Para,Minas Gerais, Sao Paulo, Paraiba, Rio Grande do Sul, Parana, Goias, Riode Janeiro, Pernambuco. A impressao que tenho e que cada estrangeiroque ouve a gente pensa que somos de um lugar. Ninguem acha que falamosespanhol, mas ja ouvimos gente que nos dizendo que o portugues parecefrances, ou parece russo, ou parece italiano… acho que tem a ver como sotaque que cada um ouviu. 

Opa, mas voltemos ao ponto. 

A SALVADORA DA PATRIA – O voo Washington-Raleigh atrasou.  Foi umagrande confusao, porque num certo momento o funcionario do aeroportoinformou que o voo so partiria num certo horario. Alguns do grupoaproveitaram, entao, para conhecer outras partes do aeroporto e sairamdo terminal. 

So que, de repente, fomos chamados a entrar no voo! Como avisar os outros? 

Fomos salvos por duas coisas. O Gregor,pernambucano que faz Ciencia Politica na UFPE, chamou, em portugues, osrestantes, pelo mesmo sistema de audio que o aeroporto usa. OK, elesestavam em outro terminal e nao ouviram, mas foi bacana e isso nos deu algum tempo. 

Outra, tinha uma mulher que reclamava intensamente dentro do aviao. Naosabemos do que. Acho que no final ela atrasou a decolagem tanto que deutempo para que os outros voltassem ao terminal no tempo originalmenteprevisto pelo funcionario. Ela salvou a patria. 

 
Alem de grandes coxas de peru por US$7.50 e dezenas de bichos de pelucia, a Feira 
Estadual oferecia outras atracoes unicas, como a vaca de seis pernas e o zebrurro (Foto: Cedê Silva).
 

BIZARRICES – Chegando no aeroporto em Raleigh, fomos rapidamente apresentados aos professores Michael Bustle e David McNeill (ou simplesmente Michael e David, como os chamamos) da Universidade Estadual da Carolina do Norte. Tambem conhecemos o Derrick Lovick, gerente do  escritorio internacional da universidade. Todos sao muito gente fina. 

Do aeroporto fomos direto para a Feira Estadual. Era o ultimo dia, entao tinhamos que aproveitar a oportunidade! 

Era exatamente como voce imagina em filmes. 

Roda gigante, montanha-russa, joguinhos de atirar agua para ganharbichos de pelucia, dezenas de barraquinhas de comida e doces, familiassorridentes… e corrida de porco. 

Corrida de porco? 

Sim, corrida de porco! Vimos num cercadinho uma emocionante (e comnarracao!) corrida de porcos, e depois teve corrida de ganso,cachorro, o que voce imaginar. Um evento extremamente caipira,extremamente divertido, extremamente pointless, extremamente familia… mais americano impossivel, heh

Mas nem so de mercadorias e animais e comida vive a feira estadual. Deu pra ver o tanto que Raleigh é bonita (e fria! brrr). 

 
Lagoa na entrada da Feira, ao cair da tarde (Foto: Cedê Silva)

RACA – Algo sobre raça nosEstados Unidos nos chamou a atencao. Viamos familias negras e brancas,mas nao muita mistura. Entre jovens, porem, ocorre. Vi amigos deescola, negros e brancos, andando juntos. Falamos sobre isso com oDavid e ele disse que isso ocorreu mais por que era um evento familiar,entao era natural que vissemos grupos mais homogeneos. Ele esta certo.No comicio do Obama, quarta-feira, a integracao era maior (em breveposto sobre como foi o comicio). 

Depois da feira – uma experiencia cultural inigualavel certamente – os professores pagaram um jantar para a gente no Red Blue,restaurante de churrasco (ou o que os americanos chamam de churrasco,que e diferente do brasileiro mas nao menos saboroso). As porcoes eramgigantes – voces precisam ver o tamanto das costelas (ribs) – e quase tudo era muito bom. 

Um dia cheio. Mas nada de descansar muito. Segunda de manha seriamos recebidos pela primeira-dama. 

O que? 

Yep. Essa historia eu conto no proximo post. 

(Cedê Silva) 

Frases boas da eleição (2)

“Ela sobe, ela desce, ela dá uma rodada. Ela está descontrolada” (Cede Silva, em Sao Paulo, sobre a Bovespa).

Palin foi bem ou mal no SNL?

Palin performed very well, though, reacting appropriately to Baldwin’s razzing rather than standing there vacantly, as most politicians would. Her close on “Weekend Update” is also expertly done. Anyone can say what they will about her— the woman is a performer. (Weekly Standard)

(…) please tell me how this was a great appearance for Sarah Palin. She said little, did nothing to freeze Tina Fey’s impression. Sarah Palin basically had a front row seat while they mocked her as usual. The core Republicans are going to love this. (whudat.com)

Sarah Palin joined SNL tonight and proved, once again, that John McCain lacked judgment in having her on his ticket, while also unwise not to veto her SNL appearance. (Robert Kubey)

Her decision to perform two brief, scripted sketches on the programme was either a game attempt to face down sneering critics in the liberal media – or recognition that she has little left to lose, following a descent from political sensation to national joke. Either way, Governor Palin’s appearance alongside Mark Wahlberg, Alec Baldwin, and Josh Brolin on Saturday’s show demonstrated how difficult it has become for the rest of America to recognise where she begins, and Fey’s merciless parody ends. (Guy Adams)

(…) to rip off a line from The Daily Show’s writers, she exceeded expectations: She “remained upright, didn’t drool.” (…) the opening was cutely handled, with the camera panning away from Fey-as-Palin, spouting her usual down-home, homespun homilies at a carefully managed press conference — gotta love the line, “And remember, please, no recording devices, and no writing anything down” (communites.canada.com)

Que resume muito bem os comentários todos:

As with so many of these things, though, the political bloggers have reacted according to their own calcified political positions.  (communites.canada.com)

Assista você mesmo aos dois vídeos, e tire suas conclusões, no Weekly Standard .

(Cedê Silva)

Comparação mais humana (2)

Comparando dois famosos encanadores!

Achei que tinha sido original na idéia, mas vejam isto.

De qualquer forma, a idéia de compará-los sistematicamente é minha:

                                       mtv.com

 

JOE THE PLUMBER

MARIO THE PLUMBER

Nome Completo

Samuel Joseph Wurzelbacher

Mario Mario (por isso junto com seu irmão Luigi são “os irmãos Mario”)

Idade

34 anos

(03/12/1973)

27 anos

(Donkey Kong, 1981)

Profissão

Encanador

Encanador

Partido

Republicano (filiado)

Desconhecido

Ficou famoso…

… sendo mencionado no 3º e último debate entre McCain e Obama, pelo menos 23 vezes

…aparecendo em vários dos videogames mais vendidos da História

A verdade é que…

… seu negócio não ganha mais de US$250 mil, e não pagaria mais impostos sob o plano de Obama

… além de encanador, anda de kart, joga tênis e futebol, come cogumelos, solta bolas de fogo pelos dedos, e salva princesas

Mora em…

…Holland, Ohio

…New York, New York (mais especificamente, no Brooklyn)

Signo

Sagitário

Desconhecido

Tem licença para trabalhar como encanador?

Não 

Sim (assim esperamos)

Desprezado pelo xará Joe Biden?

Sim, que disse “We’re kind of worried about Joe the fireman, Joe the policeman, Joe the real plumber with a license.”

Ao que se saiba, Biden nunca tirou sarro do grande Super Mario

Deve…

… quase US$1.200 ao estado de Ohio em imposto de renda

… ser um cara muito legal

Em quem vai votar?

Está indeciso

O Reino dos Cogumelos é uma monarquia, lá não se vota

(Cedê Silva)

A eleição mais popular da história?

BELO HORIZONTE – Admito, paguei língua. Logo após afirmar, baseado em pesquisa do Gallup, que nesta eleição Obama só tem vantagem se muitas pessoas que normalmente não votam irem às urnas, leio matéria no America.gov segundo a qual “este ano entre 125 e 200 milhões de eleitores” devem votar. Na eleição passada, em 2004, foram 125 milhões.

A matéria fala de várias iniciativas tomadas para aumentar o número de votantes. Entre elas: o uso de redes sociais como Facebook e Twitter para atrair eleitores jovens, e a prática do early voting (“votar cedo”, “voto adiantado” ou “voto precoce”, como queira). Em trinta estados, é possível votar antes do dia da eleição (4 de novembro), para evitar filas. Até voto por telefone existe, em cinco estados.

Não falta preocupação com os mesários. Em Iowa, quem quer ser mesário têm de passar por um treinamento de três dias. E você achava que a vida de mesário era dura no Brasil?

Leia a matéria original: Record Turnout Likely for 2008 General Election, America.gov

(Cedê Silva)